sábado, 18 de septiembre de 2010

La bandera de Las Españas


En castellano:
La cruz de San Andrés o de Borgoña es la bandera de Las Españas. La única bandera que ha representado a todos los pueblos hispánicos, incluido Portugal.
Si hoy en día alguien ve ondear la cruz de San Andrés sobre fondo blanco en una bandera los más informados pensarán que se encuentran ante el blasón de los carlistas, de los Requetés. Pero estos la utilizan como representación de la España tradicional y foral, y no se puede decir que esta bandera sea la bandera carlista porque su significado es mucho mayor. Para explicar su verdadero significado empezaremos por recordar que la bandera roja y gualda que hoy todos reconocemos como la bandera de España, no lo fue hasta el Real Decreto de 13 de octubre de 1843. Es decir, que apenas tiene poco más de 150 años de vigencia y sin embargo, todos, buen casi todos, han olvidado que antes Las Españas, se identificaban con otra bandera, la cruz de San Andrés, que fue seña de nuestra identidad durante más de 300 años.

Por el contrario su vinculación con el Carlismo, es relativamente reciente. Tuvo su origen en la organización emprendida por don Manuel Fal Conde, designado el 3 de mayo de 1934 por el Rey don Alfonso Carlos, Secretario general de la Comunión Tradicionalista. Entonces fue designado Delegado nacional de Requetés don José Luis Zamanillo y González-Camino. De ellos nació la idea de que el Requeté (organización militar clandestina carlista, conocida así, porque así se denominaban sus unidades básicas tipo Compañía, aunque con el tiempo ese nombre se haría también extensivo a sus componentes), tuviese un distintivo propio. Se convocó un concurso, en el que resultó elegido el escudo diseñado por el navarro Roberto Escribano Ortega, consistente en la cruz de Borgoña en color rojo sobre campo de plata, con el que rescataba la antigua bandera de Las Españas, quedando aprobado como insignia oficial del Requeté el día 24 de abril de 1935. No obstante, en algunas ocasiones anteriores fue utilizada en algunos periódicos carlistas y ocasionalmente enarbolada en actos.
La cruz de San Andrés llega a España con la Casa de Austria, los Habsburgo. La primera vez que la cruz de San Andrés llegó a territorio español, fue con ocasión del primer viaje que Felipe el Hermoso, Duque de Borgoña y Gran Maestre de la Orden del Toisón de Oro, realizó a la península hispánica en compañía de su esposa doña Juana, cuando tras fallecer los dos hijos mayores de los Reyes Católicos, don Juan y doña Isabel, viajaron a España, para ser reconocidos por las Cortes castellanas y aragonesas como sus legítimos herederos.
Con Felipe el Hermoso llegó la cruz de San Andrés a España, pero no sería hasta el reinado de su hijo, Carlos I, cuando su uso se generalizaría.
Era tal la identificación de esta bandera con España que en el cambio de dinastía de los Austrias a los Borbones Felipe V asumió la cruz de San Andrés como su emblema personal, como Rey de España que era.

PORTUGAL

Por último la bandera de la cruz de San Andrés puede considerarse la bandera de todos los pueblos hispánicos, incluido Portugal, porque fue bandera oficial de aquel reino.

El 12 de septiembre de 1580 Felipe II fue proclamado Rey de Portugal con el nombre de Felipe I, y jurado como tal por las Cortes portuguesas reunidas en Tomar el 15 de abril de 1581. Con este nombramiento la cruz de San Andrés se convirtió en bandera oficial de Portugal junto con el pabellón marítimo portugués.

Por lo tanto la única bandera que ha representado a todos los pueblos de la Península Hispánica, Las Españas, es la cruz de San Andrés.

A bandeira Das Espanhas
Em português:
A cruz de Santo André ou da Borgonha é a bandeira Das Espanhas. A única bandeira que representou a todos os povos hispânicos, incluído Portugal.
Se hoje em dia alguém vê ondear a cruz de Santo André sobre fundo branco em uma bandeira os mais informados pensarão que se encontram ante o brasão dos carlistas, dos “Requetés”. Mas estes a utilizam como representação da Espanha tradicional e foral, e não se pode dizer que esta bandeira seja a bandeira carlista porque seu significado é muito maior. Para explicar seu verdadeiro significado começaremos por lembrar que a bandeira vermelha e amarela que hoje todos reconhecemos como a bandeira da Espanha, não o foi até o “Real Decreto” de 13 de outubro de 1843. Isto é, que mal tem pouco mais de 150 anos de vigência e no entanto, todos, bom quase todos, esqueceram que antes As Espanha, se identificavam com outra bandeira, a cruz de Santo André, que foi senha de nossa identidade durante mais de 300 anos.

Pelo contrário sua vinculação com o carlismo, é relativamente recente. Teve sua origem na organização empreendida por dom Manuel Fal Conde, designado no dia 3 de maio de 1934 pelo Rei dom Alfonso Carlos, Secretário-geral da “Comunión Tradicionalista”. Então foi designado Delegado nacional de “Requetés” dom José Luis Zamanillo e González-Caminho. Deles nasceu a idéia que o “Requeté” (organização militar clandestina carlista, conhecida assim, porque assim se denominavam suas unidades básicas tipo Companhia, mesmo que com o tempo esse nome se faria também extensivo a seus componentes), tivesse um distintivo próprio. Se convocou um concurso, no qual resultou eleito o escudo desenhado pelo navarro Roberto Escribano Ortega, consistente na cruz da Borgonha em cor vermelho sobre campo de prata, com o qual recuperava a antiga bandeira Das Espanhas, ficando aprovado como insígnia oficial do “Requeté” o dia 24 de abril de 1935. Não obstante, em algumas ocasiões anteriores foi utilizada em alguns jornais carlistas e ocasionalmente desfraldada em atos.

A cruz de Santo André chega na Espanha com a Casa da Áustria, os Habsburgo. A primeira vez que a cruz de Santo André chegou em território espanhol, foi com ocasião da primeira viagem que Felipe o Bello, Duque da Borgonha e Grande Mestre da Ordem do
Tosão de Ouro, realizou à península hispânica em companhia de sua esposa dona Juana, quando após falecer os dois filhos maiores dos Reis Católicos, dom Juan e dona Isabel, viajaram à Espanha, para ser reconhecidos pelas Cortes castelhanas e aragonesas como seus legítimos herdeiros.

Com Felipe o Bello chegou a cruz de São Andrés à Espanha, mas não seria até o reinado de seu filho, Carlos I, quando seu uso se generalizaria.

Era tal a identificação desta bandeira com a Espanha que na mudança de dinastia dos Áustria aos
Bourbon Felipe V assumiu a cruz de Santo André como seu emblema pessoal, como Rei da Espanha que era.

PORTUGAL

Por último a bandeira da cruz de Santo André pode considerar-se a bandeira de todos os povos hispânicos, incluído Portugal, porque foi bandeira oficial daquele reino.

No dia 12 de setembro de 1580 Felipe II foi proclamado Rei de Portugal com o nome de Felipe I, e jurado como tal pelas Cortes portuguesas reunidas em Tomar no dia 15 de abril de 1581. Com esta nomeação a cruz de Santo André se transformou em bandeira oficial de Portugal junto com o pavilhão marítimo português.

Portanto a única bandeira que representou a todos os povos da Península Hispânica, As Espanhas, é a cruz de Santo André.

6 comentarios:

  1. Tanto es así que si la cruz de Borgoña se identifica comúnmente con el carlismo, no es sino para honra del mismo, pues los carlistas supieron mantenerse fieles -y siguen haciéndolo- a la realidad que aquella bandera encarnaba.

    Coincido en el valor simbólico de la cruz de Borgoña, sin menospreciar la roja y gualda, pero que no obstante representa algo de muchísimo más calado. Pues cuando la rojigualda se empieza a usar como enseña nacional, la España oficial ya había renunciado a la universalidad que la caracterizó para pasar a ser un Estado-nación liberal más.

    ResponderEliminar
  2. Isto é um blog escrito por um espanhol, que dá erros na língua PORTUGUESA, e que tenta manipular os seus visitantes. PORTUGAL é a espinha entalada na garganta da espanha. PORTUGAL É UM PAÍS INDEPENDENTE 300 ANOS MAIS ANTIGO que a espanha. PORTUGAL é o pesadelo espanhol, espanha teme a independência da GALIZA e CATALUNHA que estão unidas numa união forçada e nada natural com madrid. PORTUGAL é a pedra no sapato da espanha que nunca a deixou ser dona de toda a peninsula. Os espanhóis já esqueceram a batalha de Ajubarrota e o tratado de Tordesilhas. Esqueceram que PORTUGAL é o pioneiro da globalização, dos descobrimentos marítimos e que nos quiseram imitar porque nunca toleraram a força e a grandeza deste rectangulo. Im Portuguese and Portuguese people ARE NOT hispanic.Portuguese people are Lusitanic. By the way... my country was born in 1139... and spain as a unified country was born in 1492. Check this http://en.wikipedia.org/wiki/Portugal Under the aforementioned definitions by the U.S. Government, it is clear that persons of Portuguese culture (Lusitanic) like Brazil,Cape Verde,Guiné-Bissau,São Tome e Príncepe,Angola,Mozambique, East-Timor,Macau,Azores, Madeira,Goa,Damão e Diu should NOT be classified as Hispanic nor Latino.

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Outro "Português" Acredita independente quando não foi mais que um mero satélite da Grã-Bretanha em sua luta contra a Espanha. Portugal não é o pesadelo espanhola, é uma parte da Espanha cruelmente separados por ganância e egoísmo alta nobreza Português (especialmente a família de usurpadores e traidores, o Bragança). Você diz que Portugal é o pioneiro da globalização e isso é bom? Ser um pioneiro de um mundo em que as identidades nacionais são espezinhados para impor uma única cultura mundial baseada no materialismo e do consumismo americano? Outras realizações são reconhecidos e respeitados, porque para alguns Português são a quintessência marinheiros espanhóis. O povo português é hispânico goste ou não: eu entendo a sua raiva, porque a propaganda de jorro partir de 1640, tanto a Grã-Bretanha e para os seus cúmplices faz ver que para ser um "verdadeiro patriota Português" deve ter um profundo ódio a Espanha. Você diz que o "Espanhol" (ie, os castelhano-argoneses) nos esquecemos Aljubarrota e Tordesilhas, porque você parece esquecer estas palavras:

      “Nem uma só vez se achará em nossos escritores a palavra «espanhol» designando exclusivamente ao habitante da Península não português. Enquanto Castela esteve separada do Aragão e já muito depois que unida, nós e as demais nações da Espanha, Aragoneses, Castelhanos, Portugueses, todos éramos, por estranhos e próprios, comumente chamados «espanhóis» assim como ainda hoje chamamos «alemão» ao Prussiano, Saxão, Hannoveriano, Austríaco: assim como o Napolitano, o Milanês, o Veneziano e o Piamontês recebem indistintamente o nome de Italianos. A perda de nossa independência política depois da jornada de Alcazarquivir, deu o título de reyes das Espanhas aos de Castela e o Aragão, título que conservaram ainda depois da gloriosa restauração de 1640. Mas espanhóis somos, de espanhóis nos devemos apreciar todos os que habitamos à Península Ibérica: Castelhanos nunca”

      Estas palavras do escritor Português Almeida Garret, no século XIX, e também parecem esquecer a nossa história comum, como povos latino-americanos somos.

      Eliminar
    2. O 2º parte

      Na antiguidade, o território do que é hoje Portugal foi povoada por tribos celtas, Galaicos no norte e lusitana no sul ... tribos que se estendeu para além das fronteiras atuais, como Gallaecia incluiu o atual Galiza e do Norte Portugal e Lusitânia composta mais de Extremadura. Por isso, têm o mesmo substrato indígena e foram romanizado de cada vez. A província romana da Hispania composto da Península Ibérica e as Ilhas Baleares, é por isso que eu prefiro usar a palavra Espanha (derivado de Hispania) para se referir à Península, em vez de Iberia desde os povos ibéricos ocupada apenas parte da o mesmo e precisamente a parte agora ocupado por Portugal era uma região celta. Viriato, considerado um herói nacional na Espanha, foi precisamente lusitano.

      Na Idade Média, o suábio Estados ocuparam o território da Gallaecia, ou seja, agora norte de Portugal e Galiza, e o reino visigodo ocuparam a Península Ibérica. O que agora é Portugal, que não existia como tal (como foi Castela, Catalunha, Aragão ...) era parte da Hispania Gothorum como o resto do continente. A Igreja Católica na Hispania era o mesmo, tanto que o Arcebispo de Braga tinha, como Tarragona, a distinção de Primaz da Espanha, que ainda mantém hoje.

      Quando a Reconquista foi iniciado quando os diferentes grupos étnicos e nações que hoje formam a Espanha, incluindo Portugal foram configurados. O Condado Portucalense, pertencente ao Reino de Leão, tornou-se o Reino de Portugal Afonso I, no contexto das lutas feudais e distribuições de próprios legados da Idade Média. Não seria muito diferente, por exemplo, a separação do condado de Castela Reino de Leão, Aragão County do Reino de Pamplona, ​​ou os condados catalães no que diz respeito ao Reino dos francos. No entanto, a história do reino de Portugal foi paralelo ao dos outros reinos espanhóis, espalhou costa sul de Moor e participou da Reconquista, da mesma forma como os outros. O Português lutou na batalha decisiva de Las Navas de Tolosa, em que o rei Alfonso VIII de Castela harangued todas as tropas da seguinte maneira:

      "Amigos, estamos todos os espanhóis e mouros ter entrado nossas terras pela força e temos conquistado, e os cristãos daquela época estavam prestes a ser exilado e expulso"

      Portugal esteve presente nas políticas de alianças matrimoniais da dinastia Trastámara eo projeto de unificação peninsular. No momento da união de Castela e Aragão, D. João II de Portugal se queixaram de que eles foram chamados reis de Reis Católicos da Espanha, quando ele também foi rei de Espanha. Esta queixa foi muito presente, mesmo no Tratado de Utrecht, quando o Português se queixou de que o rei Filipe V de Espanha foi chamado quando não era o rei de tudo isso.

      Nos tempos modernos, os nossos caminhos foram mesmo lado na Idade Média. Ambos chegaram ao Novo Mundo, ao mesmo tempo e criou-o como um império colonial atingindo ocorrer em 1580 a União Ibérica com Felipe II (que é Filipe I de Portugal), o que não seria quebrado até que a crise da monarquia em 1640. nos séculos XVI e XVII, os utensílios da Casa da Áustria içada a mesma bandeira (http://renacimientogotico.blogspot.es/cache/media/files/00/548/149/2015/10/bandera-galeones-espa-oles-siglo-xvi-original-.gif)

      Eliminar


    3. Mesmo no século XVIII, após a separação política, o Português se consideravam e eram considerados por estrangeiros como os espanhóis. Foi na sequência da criação da Casa nefasto de Bourbon em Espanha, quando as diferenças começaram a acusar e começou a implementar uma homogeneização dos territórios peninsulares que quebraram a diversidade que sempre teve. Terminou com os privilégios da Coroa de Aragão, ele começou a chamar espanhol para a língua espanhola e insultar os outros idiomas espanhol ... mas mesmo depois disso, o Português continuou a ser percebido espanhol e tenta reunificar a Península Ibérica foram vários em do séculos XIX e XX.

      Se na Idade Média nossa história quase não ser dividido, na Modernidade passou de mão ... essa dinâmica não é quebrado com a entrada em tempos contemporâneos. Espanha e Portugal lutaram juntos Napoleão ea Constituição de 1812 foi invocada em 1820 pelos liberais portugueses, que usou o viva la Pepa! como um grito revolucionário. A independência das colônias americanas ocorreram quase simultaneamente e lutas entre liberais e absolutistas também foram paralelo (miguelistas cartistas em Espanha e Portugal). Quando ele foi derrubado Isabel II, uma das opções (boicotada por outras potências europeias, que viam temem a União Ibérica) era dar a coroa para o rei de Portugal. O iberismo seria defendida por pessoas tão diversas como Emilio Castelar, Antonio Canovas del Castillo, Juan Prim, Joan Maragall, Francisco Pi, Miguel de Unamuno, Ramiro de Maeztu, Francesc Cambo, Enric Prat de la Riba, Alfonso Castelao ou Ramiro Ledesma Ramos lado de Raya, e Teófilo Braga, José Saramago, Oliveira Martins ou Teixeira de Pascoaes, entre outros, do outro lado da linha.

      No século XX, ambos eram neutros nas duas Guerras Mundiais terminaram com a monarquia quase simultaneamente (Portugal em 1910 e em 1931), sofremos a ditadura de Salazar e Franco, que também saiu quase simultaneamente (eles e que 1974 1975). Para o anarquismo historicamente não houve diferenças entre Portugal e no resto da Espanha, como foi demonstrado em 1927 com a fundação da Federação Anarquista Ibérica. Perdemos as últimas colónias em África também quase simultaneamente: Angola, Moçambique, Guiné, o Rif ou no Sahara, embora de forma diferente. Também nós entrou na União Europeia em 1986 mão.

      Então enfrentar seu medo, o ódio calma e encontra a paz com o resto de seus irmãos espanhóis, esperando de braços abertos para que juntos vamos acabar com a monarquia corrupta, a crise do nosso país e colocá-lo de volta no lugar que merece. Saudações, companheiro, uma média castelhanos meios portugueses.

      Eliminar
  3. Isto é um blog escrito por um espanhol, que dá erros na língua PORTUGUESA, e que tenta manipular os seus visitantes. PORTUGAL é a espinha entalada na garganta da espanha. PORTUGAL É UM PAÍS INDEPENDENTE 300 ANOS MAIS ANTIGO que a espanha. PORTUGAL é o pesadelo espanhol, espanha teme a independência da GALIZA e CATALUNHA que estão unidas numa união forçada e nada natural com madrid. PORTUGAL é a pedra no sapato da espanha que nunca a deixou ser dona de toda a peninsula. Os espanhóis já esqueceram a batalha de Ajubarrota e o tratado de Tordesilhas. Esqueceram que PORTUGAL é o pioneiro da globalização, dos descobrimentos marítimos e que nos quiseram imitar porque nunca toleraram a força e a grandeza deste rectangulo. Im Portuguese and Portuguese people ARE NOT hispanic.Portuguese people are Lusitanic. By the way... my country was born in 1139... and spain as a unified country was born in 1492. Check this http://en.wikipedia.org/wiki/Portugal Under the aforementioned definitions by the U.S. Government, it is clear that persons of Portuguese culture (Lusitanic) like Brazil,Cape Verde,Guiné-Bissau,São Tome e Príncepe,Angola,Mozambique, East-Timor,Macau,Azores, Madeira,Goa,Damão e Diu should NOT be classified as Hispanic nor Latino.

    ResponderEliminar